Quem diria? O nóvel secretário de Estado e ex-presidente do CCAP é um fervoroso defensor do modelo de auto-avaliação em educação, não só do ponto de vista individual como organizacional.

Tudo decorre deste projecto de investigação e tem uma cristalização impressa num artigo escrito a meias com Jorge Adelino Costa no nº 7 (Novembro de 2005) a revista Educação e Infância – Investigação e Práticas do GEDEI – Grupo de Estudos para o Desenvolvimento da Educação de Infância.

VenturaEu depois posso digitalizar aquelas partes mais giras em que a auto-avaliação e a avaliação com intuitos principalmente formativos, com base numa reflexão dos intervenientes acerca das suas práticas, é apresentada como a melhor metodologia do ponto de vista organizacional.