1998

Moinho0004

2001

Moinho0006

2009

100_4037

Hoje faltei à sessão da minha acção de formação sobre História e Património Local no Ensino da História (o título é mais ou menos assim) em que se fazia uma visita de trabalho pelo concelho do Barreiro. O que significa que também faltei ao almoço de convívio, mesmo se prometeram (Ventura, esta é contigo) que me guardavam uma foto do prato que não comi (falaram-me num bom bife, mas até preferia um belo peixe grelhado, especialidade daquela casa, não por acaso chamada Grelhador-Mor).

Mas nem por isso quero aqui deixar de apresentar serviço, pois estou a arrumar fotos minhas dos últimos 10-15 anos, nem sempre tiradas de modo sistemático, mas mesmo assim o suficiente para ir acompanhando a degradação de algumas estruturas emblemáticas de um passado que os poderes locais se desinteressam de preservar, mesmo dizendo que os vão preservar.

Neste caso temos a involução do Moinho Pequeno, junto à avenida Miguel Pais, no Barreiro, fotografado em três momentos, e com três perspectivas de 1997 até há coisa de duas semanas.

Como este caso há muitos. Tempos para os fotografar é que nem sempre, mas a ideia é fazer um mosaico dos moinhos de maré e vento do antigo concelho de Alhos Vedros (actuais Moita e Barreiro) no sentido de mostrar tudo o que lhes tem acontecido e que, por cada recuparação, há meia dúzia de derrocadas, fora as lixeiras e entulhos ao redor