Vejamos a evolução do peso eleitoral do PS e das forças partidárias À sua esquerda no Parlamento desde 1987:

PS

1987: 22,2%
1991: 29,1%
1995: 43,7%
1999: 44,1%

2002: 37,8%
2005: 45,0%
2009: 36,6%

CDU/BE (desde 1999)

1987: 12,2%
1991: 8,8%
1995: 8,6%
1999: 9,6%
2002:11,3%
2005: 13,8%
2009:17,8%

Agora reparem na proporção do peso da esquerda mais à esquerda relativamente ao PS (CDU+BE/PS):

1987: 54,5%
1991: 30,2%
1995: 19,7%
1999: 25,6%
2002: 25,4%
2005: 30,7%
2009: 48,6%

As conclusões são simples: se exceptuarmos o descalabro socialista de 1987 (faltam aqui os votos do PRD), repara-se que de 1995 a 2002, o guterrismo e mesmo Ferro Rodrigues mantiveram os partidos à sua esquerda a confortável distância. Com Sócrates e a sua forte guinada para o centro, as esquerdas alternativas floresceram. No domingo em grande força.