Exp22Ago09

Expresso, 22 de Agosto de 2009, p. 18.

Agora até Luiz Fagundes Duarte, autor de um artigo de péssima memória para os professores no Sol de 8 de Março de 2008 surge agora como crítico da postura de Maria de Lurdes Rodrigues.

As voltas que esta gente dá na tumba… antes não existiam professores nas ruas e eram tratados como malandragem que não queria cumprir o horário de trabalho.

Agora já nada é como dantes, quando todos os votos passam a contar e a estratégia do confronto aberto começou a correr mal.

Se fossemos acreditar nesta nova versão de um PS compreensivo com os professores – até já se conhece a eventual futura ministra, numa jogada memorável de lançamento borda-fora da actual – amanhãs maravilhosas cantariam.

O problema é que o simplex 3 foi aprovado, assim como o ECD foi revisto sem as alterações mais desejadas pelos professores, e duvido que Fagundes Duarte o desconheça ou, em caso de necessitar de alguma votação no Parlamento, que fosse capaz de enfrentar a diorecção do seu partido como o fizeram as deputadas e deputados alegristas.

A verdade, verdadinha, é que isto não passa de fumaça ou então da insatisfação pelo papel que alguns destes senhores foram obrigados a fazer, a ordens do Grande Líder. Se o fizeram contra as suas convicções não sinto grande pena, nem dou grande crédito às presentes e oportunas lágrimas de jacaré.