Descrição chegada por mail, com pedido de anonimato, mas identificação clara do remetente sendo possível verificar se os factos correspondem à realidade.

O caso é o seguinte:
Nesta escola [Esc. Secundária João Gonçalves Zarco, Matosinhos] o, ainda, Presidente do Conselho Executivo, José Ramos, que é membro do C.C.A.P e apoiante incondicional da directora regional e da ministra da educação , perdeu as eleições na 2º volta, apesar de todas as pressões internas e externas, nomeadamente por parte do vereador da Educação da Câmara Municipal de Matosinhos.
Tal eleição aconteceu no dia 28 de Maio. Sabe-se que a DREN pediu o envio das actas das reuniões e da documentação apenas da candidata que ganhou as eleições.
Entretanto, no passado dia 23 de Junho, o ainda Presidente anunciou, numa Reunião Geral de Professores, que tinha impugnado as eleições, no dia 17 de Junho.
Tudo isto é muito estranho por várias razões: primeira porque concorreram três candidatos  e só se pede os elementos da candidata que foi eleita;
segunda, porque, do que se sabe na escola, a DREN não se referiu à impugnação e os documentos foram pedidos em data anterior a 17 de Junho; terceira é a data do presumível pedido de impugnação que se estranha ser tão tardio.
As pessoas estão preocupadas porque parece haver uma intenção de criar dificuldades, quiçá, para posteriormente se invocar “superior interesse publico” e manter no lugar a pessoa que a Directora Regional e o Vereador da Educação da Câmara Municipal de Matosinhos desejavam, talvez como reconhecimento pelos serviços prestados à ministra, nomeadamente na defesa do modelo de avaliação dos professores e deste modelo de gestão que o mesmo José Ramos considera melhor e mais democrático. Há ainda a referir que a actuação por parte da DREN é idêntica à que se verifica em relação ao Agrupamento de Miragaia, onde, a eleição também não correu de acordo com o desejado pela Directora Regional.