Tão apropriado… a tudo…

Maldita liberdade

Em tempos que já lá vão, a manipulação por Salazar do evasivo conceito de “equilíbrio orçamental” permitia que orçamentos tecnicamente deficitários aparentassem sempre invejável saúde financeira. A censura e a ausência de discussão pública faziam o resto. E a coisa, com a ajuda de um legislador fortemente proteccionista, funcionava e ia alimentando a confiança dos agentes económicos (nas suas “Lições de Finanças Públicas”, Teixeira Ribeiro dizia que “Deus escrevia direito por linhas tortas”).

Para a coisa funcionar hoje, seria preciso haver de novo censura. Por isso, foi por água abaixo a bem intencionada decisão estatística do IEFP de embelezar os números do desemprego “eliminando” 25 mil desempregados (passando a dá-los como “inactivos”) e apagando informaticamente outros 15 mil do Sistema Integrado de Gestão da Área do Emprego. Não fosse sindicatos e jornais terem posto a boca no trombone e o desemprego em Portugal teria crescido “apenas” 13,1% no primeiro trimestre do ano. Assim desembestou por aí acima e já vai, parece, em 9,3%, e não nos anunciados 8,9. Maldita liberdade de informação!