É sempre difícil avaliarmos algo em que estivemos inseridos de forma desapaixonada e neutra. Daí as minhas reservas em relação à auto-avaliação ;).

De qualquer modo aí vão algumas breves notas sobre o debate em que participei na noite que acabou de passar, só com o detalhe de ter chegado cansadíssimo por uma tarde especialmente desgastante.

Ambiente simpático, informal, afável.

Miguel Reis a moderar com eficiência, sobriedade e apenas uma ligeira tendência para deixar as senhoras falar mais que os senhores.

  • Uma Ana Benavente em ataque cerrado ao governo e ao PS, muito comunicativa e quase fazendo esquecer que esteve na origem de alguns dos erros – nomeadamente o estatuto disciplinar dos alunos – que estragaram muita coisa nos últimos 15 anos.
  • Cecília Honório naturalmente com a missão de analisar a situação pelos olhos do Bloco e de transmitir uma mensagem política clara, mesmo se ainda um pouco vaga em matéria de políticas específicas.
  • Manuel Grilo numa postura algo heterodoxa por parte de um sindicalista, abordando as questões de forma menos esetereotipada do que o habitual.
  • Ana Drago ausente, por doença.
  • Eu com sede, muita sede, desde cedo no debate porque, por razões de filmagem, o reenchimento do copo nunca chegou a conteser.

Em termos de conteúdo analisou-se mais o passado recente, fazendo o ponto da situação dos erros e equívocos, mas não avançando de forma muito clara para alternativas. Na minha opinião, que expressei em parte, o problema não está na falta de dinheiro, mas sim na sua má utilização.

Percebi qu a perspectiva de quem está todos os dias na escola é diferente de  quem a debate no plano das ideias ou que lá vai em visita. Já sabia, apenas confirmei.