Procurador: “país do respeitinho” condiciona opinião

(…)
“A jurisprudência nacional, no solucionamento entre o direito à honra e o direito à liberdade de expressão, tem-se maioritariamente inclinado a favor do primeiro”, escreveu Euclides Dâmaso Simões, num dos últimos números da Revista do Ministério Público.

O director do DIAP de Coimbra questiona se tal “inclinação” se deve à lógica do “país do respeitinho, confundido com a intolerância à crítica e ao dissenso, cultivado ao longo dos séculos”.