Sexta-feira, 13 de Março, 2009


Ordem dos Titulares

Ao contrário de leituras iniciais mais apressadas, eu admiro este blogue pelo admirável exercício de ironia fina que desenvolve. Algo que só se capta quando se sente melhor o aroma das entrelinhas.

Já tinha explicado a minha posição aqui no blogue, por isso nem chega a ser novidade:

Professores questionam utilidade de possível greve às avaliações

Docentes reúnem-se amanhã para discutir formas de luta para o terceiro período
Representantes de movimentos independentes de professores mostram muitas dúvidas em relação a greves às avaliações no terceiro período, hipótese avançada pelos sindicatos. Os docentes receiam os efeitos que o protesto pode ter na vida dos alunos, em especial a desestabilização na preparação para os exames nacionais, mas vão discutir a proposta na reunião de professores em luta, que se realiza amanhã em Leiria.

Logo a seguir ao cordão humano de sábado, os sindicatos colocaram em cima da mesa a hipótese de organizar paralisações na altura dos exames, apesar de estarem limitadas pelo cumprimento de serviços mínimos, como foi decretado pelo tribunal no seguimento de uma greve semelhante em 2005. Situação para a qual Paulo Guinote, autor do blogue A Educação do Meu Umbigo, se apressou a alertar. “Alienar a opinião pública e publicada nesta fase do processo seria um erro de consequências enormes por causa de posicionamentos organizacionais e interesses políticos particulares.”

Face a estas dúvidas, ganhou força a hipótese de adiar as notas dos alunos, proposta que terá sempre de ser aprovada pelos professores, em consulta nas escolas. “Se os sindicatos levarem avante a proposta e se os professores aderirem, os movimentos vão apoiar, mas neste momento tenho muitas dúvidas em relação a essa opção”, adianta ao DN Ilídio Trindade, do Movimento para a Mobilização e Unidade dos Professores, que explica a sua posição pessoal. “Tenho dúvidas por três razões: temos de ver se é uma proposta que recolhe grande adesão dos professores, temos de medir o prejuízo para os alunos, que tentamos sempre proteger, e temos ainda de ver como evoluem as posições do Ministério.”

Mário Machaqueiro, da Associação de Professores em Defesa do Ensino, concorda que a greve às avaliações “deve ser utilizada em último recurso, se o Ministério da Educação se mostrar inflexível nas suas posições”. Para o presidente da APEDE, “o tempo das manifestações de rua já passou e os professores estarão dispostos para voltar à luta a propósito de regras como a não abertura de vagas para absorver docentes dos Quadros de Zona Pedagógica ou a hipótese do fim dos concursos, que pode criar arbitrariedade nas colocações”.

100_2330

nicolau0001nicolau0002

Isto é que são parlamentares preocupados com a qualidade do ensino:

Deputados socialistas querem legumes e frutas gratuitamente nas escolas e menos sal no pão

Acham que a miudagem não come legumes por causa do preço? Que é por causa de não serem oferecidas que deixam as alfaces no prato?

A sério?

Experimentem colocar um prato cheio de bróculos gratuitos e uma saqueta cara com gomas ou batatas fritas e depois digam-me.

Não acham que não é por aí que se começa?

Há cada nabo!!!

The Bird and the Bee, Love Letter To Japan

Sou sportinguista, estou habituado a sofrer 18 anos e tal, mas não se esqueçam da história do Celta de Vigo (esta é só para benfiquistas).

Deixo aqui algumas das lembranças recebidas desde a noite de 3ª feira, para mostrar como até tenho fair-play (gnnn, gnnn, gnnn).

O Estádio do Bayern (mudou ao intervalo?)

bayern

Novo cachecol à venda:

scp

Novas promoções no Lidl:

image00111

Mudança de patrocinador:

patro

O Natal é sempre que o Sporting quiser:

natal9lz

« Página anteriorPágina seguinte »