De agrupamentos e escolas não agrupadas.

Já agora, eu não vos tinha dito há uns tempos que este seria o último concurso, tal como o conhecíamos, antes da total fragmentação do sistema de colocação de docentes?

O concurso nacional de colocação de professores arranca sexta-feira, com 20.603 vagas, mas pode ser o último. Valter Lemos, secretário de Estado da Educação, assume que «o próximo Governo tem os instrumentos para que possa não haver concurso com lista de graduados em 2013». (Sol)

Mas o pior, mesmo o pior é que vão abrir 20.600 vagas para quadros de agrupamento quando existem 30.000 docentes de QZP, ou seja, na melhor das hipóteses existirão 10.000 professores do quadro sem colocação no final deste concurso ou, em alternativa, com uma colocação virtual e vulnerável a uma deslocalização que neste momento é muito difícil que contornos poderá ter.

As vagas abertas são claramente insuficientes para absorver e extinguir os QZP, podendo mesmo isto acabar com um enorme retrocesso na estabilidade da colocação de um número substancial de docentes.