O Carnaval da sintaxe

Agora que o ME divulgou novos programas de Português preconizando que, no final do Ensino Básico, os alunos devem ser capazes de produzir “textos coesos e coerentes” e “correctos em português padrão”, o caso da DREN continua a ser exemplar do “português padrão” em uso no ME e do nível de exigência do Ministério em relação à avaliação das “competências” dos seus altos (ou baixos, sei lá) funcionários.

Depois do histórico ofício sobre os “Magalhães”, a directora de Educação do Norte (que é suposto ter concluído o Básico) escreve agora, em novo ofício, coisas “coesas e coerentes” como: “Sendo certo que muitos docentes não se aceitam o uso dos alunos nesta atitude inaceitável”; ou: “a sua [da escola] missão de processos de socialização”; ou: “razão central porque”, e por aí fora.

Pelos vistos, as palavras e a gramática insistem em não respeitar a autoridade da senhora directora e, folionas (o ofício é, apropriadamente, sobre o Carnaval), fazem dela gato-sapato e escrevem-se como muito bem lhes apetece. Eu já lhes teria posto, como ao outro da piada sobre a licenciatura, um processo disciplinar. (Manuel António Pina)

Blog

A directora regional de Educação do Norte tornou-se conhecida por ter instaurado (a um professor) um processo disciplinar de contornos políticos. Não contente com isso, que já é demais em qualquer país decente, avisou que coleccionava jornais e blogues que a criticassem, certamente para perseguir os seus autores.

Pode bem fazê-lo: circulam pela net algumas das suas maiores pérolas ortográficas e sintácticas, de bradar aos céus. Por menos do que isso pode negar-se emprego a muita gente. O problema é que esses erros graves de Português em documentos oficiais são dados por uma responsável do Ministério da Educação. Que confiança podemos ter num Ministério que mantém no seu posto uma chefe de serviços que atropela a Língua Portuguesa em documentos que levam o seu selo? Nenhuma. (Francisco José Viegas)

Advertisements