Com um agradecimento prévio a todos os professores que, um pouco por todo o país, têm dado exemplo de coragem e determinação em defesa da dignidade profissional e de uma escola pública de qualidade, junto envio o texto da moção aprovada hoje, por 107 votos a favor e 1 voto contra, em reunião geral de professores do Agrupamento de Escolas Inês de Castro, em Coimbra.

Um abraço especial aos colegas da Escola Secundária de Maximinos, Braga, de quem recolhemos inspiração.

Cumprimentos,


Jorge Marcelino

MOÇÃO

(Aprovada em reunião de professores realizada no dia 14 de Janeiro de 2009)

Os professores do Agrupamento de Escolas Inês de Castro, de Coimbra, em conformidade com posições anteriormente assumidas no sentido de suspender o processo de Avaliação do Desempenho, em abaixo-assinado enviado à senhora Ministra da Educação em 18 de Novembro de 2008, reiteraram a sua decisão de não participar num processo que continuam a considerar inexequível, discriminatório e improdutivo.

Ampla e publicamente contestado por uma inegável maioria de professores, o referido modelo foi objecto de sucessivas remodelações regulamentadas pelo Governo, em diversa e recente legislação, que mais não visam que provar a sua aparente aplicabilidade.

Contudo, a última regulamentação, em nada alterando a substância do modelo, antes torna mais clara a sua ineficácia enquanto promotor da melhoria dos desempenhos profissionais, minimizando a importância da componente científica e pedagógica na aferição do mérito docente, ignorando o cariz formativo inerente a qualquer modelo de avaliação de professores.

Assim, os professores presentes reafirmaram a sua vontade e direito de serem avaliados por um modelo justo, exequível e consensual.

Consequentemente, deliberaram manter o pedido de suspensão do processo de avaliação tal como agora lhes é apresentado pela tutela e não entregar os objectivos individuais.

Moção aprovada por:

107 votos a favor

1 voto contra

Coimbra, 14 de Janeiro de 2009

Anúncios