1.      Um Primeiro Ministro mais amigo dos professores, da escola, dos alunos e da educação.

2.      Um Ministério da Educação lavado de gente  cega , surda, prepotente e arrogante.

3.      Uma classe profissional (a  dos professores) mais dignificada pelo poder político, mais respeitada e amada por todos.

4.      Uma escola onde os professores ensinem com prazer e em paz;

5.      Uma escola onde  os alunos queiram TODOS aprender e respeitem os professores TODOS.

6.      Uma escola em que os pais participem, não apenas pela crítica justa e certeira, mas também pela autocrítica.

7.      Um recuo total desta política educativa , para que possamos ser melhores professores, em melhores escolas, com melhores alunos.

8.      Um ano escolar renovado, por uma nova crença de todos em  que ainda é possível terminá-lo como se nada de mal lhe tivesse acontecido.

9.      A consciencialização de todos de que o sucesso educativo  não depende só  de directores mais remunerados e de escolas remodeladas.

10.  A rectificação definitiva da ideia de que o professor não trabalha , logo deve ser forçado a trabalhar, pela assunção do princípio de que o professor quer trabalhar mais e melhor, desde que o respeitem mais, o dignifiquem mais, ou , numa palavra, o MOTIVEM mais.

C. R.