Jogos de vídeo podem ser importantes ferramentas de aprendizagem

Este é daqueles tipos de conclusão que me faz desesperar da utilidade da comunidade dita «científica« e do tempo perdido por «cientistas» em «estudos» deste tipo. Claro que todo e qualquer tipo de jogo, por vezes muito simples, sem necessidade de recorrer a qualquer tecnologia especial, ajuda a desenvolver um leque mais ou menos alargado de competências.

Eu bem sei o que sofri a tentar aprender a jogar snooker, pois nunca conseguia fazer os cálculos certos para os ângulos e potência das pancadas. Já a jogar à boa e velha sueca ou à bisca lambida, aprendi a fazer os cálculos das cartas que já tinham saído e as que faltavam sair.

Mesmo o mais simples jogo tradicional, como o chinquilho, ajuda a desenvolver algum tipo de raciocínio.

E que tal o jogo de xadrez, como exemplo maior de um jogo cuja aprendizagem estimula aprendizagens de tipo complexo?

Claro que um bom jogo de computador pode ser uma «ferramenta». Há uns anos atrás, em vez do World of Warcraft de que se fala na notícia, eu estimulei os alunos do 5º ano a jogarem o Caesar, o Age of Empires ou o Age of Mithology por razões que me parecem evidentes para o desenvolvimento de aprendizagens relacionadas com a História.

Qual o espanto?

Qual a novidade?