Sábado, 22 de Março, 2008


And if you don’t co-operate
We’ll cut off your supply lines

But You’ll be free
To re-connect
If you beg our forgiveness

You say I
Over simplify
Well yes, so did
Albert Einstein

Neste caso, Robert Wyatt a pedido do Francisco Trindade.

Enquanto as minhas duas equipas verdes favoritas disputam pelos Algarves, de forma um bocado enfadonha, uma taça patrocinada por uma cerveja igualmente verde, vou passeando por outros canais e em plena SICNotícias dou de caras com uma Ministra da Educação algo desalinhada e abespinhada com uma jornalista.

Aproveitando as palavras de Valter Lemos ontem, a jornalista perguntava-lhe se o novo Estatuto do Aluno iria diminuir este tipo de ocorrências. Algo irritada, MLR perguntou-lhe se já tinha lido o Estatuto e criticou a pergunta formulada. A jornalista insistiu que estava a usar o raciocínio que o Secretário de Estado tinha expressado ontem – que o Estatuto do aluno é um instrumento para combater estas situações – mas MLR não desarmou e atacou dizendo que o Código da Estrada também não evita os acidentes. Pois, não evita, mas define as regras a serem respeitadas.

Pouco satisfeita com a forma como ia intimidando a jornalista, MLR ainda continuou recomendando que a jornalista fizesse bem o seu trabalho e revisse as peças sobe o tema, pois de acordo com ela Valter Lemos falara depois «do deputado do CDS» e do «deputado do PSD», de quem MLR parece não conhecer os nomes (PauloPortas e Pedro Duarte, no caso). No que isso era relevante para a matéria não explicou.

Perante tamanha investida e desafio, a jornalista foi rever as peças e constatou que afinal a Ministra baralhara a sequência das intervenções e, transmitindo as declarações de VL à TSF, demonstrou que são contraditórias com a da teórica superior hierárquica.

Não sei o que se seguirá: se um pedido de retractação pública a alguém (quem?), se a admissão do erro (impensável!). Ou se, tal como com os sindicatos, MLR passará a recusar-se a falar com a SICNotícias ou com aquela jornalista em particular.

O interessante é notar como alguém que detém um cargo público de responsabilidade se mostra sempre profundamente irritada quando as questões fogem ao guião previsto e enveredam por terrenos incómodos.

Há a quem, realmente, falte uma certa e determinada vontade (ou vocação) para suportar as agruras da vida pública em democracia.

A parte boa é que a irritabilidade e falta de tolerância começam a romper a máscara e a transbordar para a vista de todos.

E depois não chega ter amigos bem colocados nos OCS.

cannard.jpg


Este episódio da Société Générale continua a fascinar-me. Mais de uma década depois do colapso do Barings estas coisas ainda acontecem naqueles que se afirmam ser os sistemas de controle e monitorização mais sofisticados do mundo empresarial.

Por isso mesmo aqui fica esta notícia retirada do sempre acutilante Le Canard Enchaîné desta semana.

safe.jpg

Não há fórmulas exactas ou infalíveis, mas é sempre interessante compreender as experiências alheias. O manual em causa tem 40 pp e fica aqui (safeguide.pdf).

The Challenge of School Violence

(…)
This Issue of Service-Learning NETWORK offers methods and materials to help schools deal with school violence by introducing this critical problem into the education agenda.

Escolas vão desobedecer

As escolas do distrito de Coimbra uniram-se e apelaram ao Ministério da Educação para suspender o processo de avaliação de professores até ao final do ano lectivo. A falta de “suporte legal para uma avaliação simplificada dos professores contratados” é um dos principais motivos invocados pelos presidentes das mais de 20 escolas secundárias e agrupamentos que subscrevem o documento, contrariando as directrizes do Ministério da Educação (ME), que não permite a suspensão ou adiamento do processo.

No pedido, que já foi entregue na Comissão Parlamentar de Educação, os professores referem não conhecer as ponderações nem terem “indicações sobre como funciona o sistema de quotas”. Os dirigentes escolares, que representam mais de 200 escolas e 20 mil alunos, referem que se sentem “num processo sem directivas legais”, propondo à ministra a suspensão da aplicação do processo de avaliação até ao final deste ano lectivo e o reatamento “imediato” do diálogo com os sindicatos.
Entre as escolas que pedem a suspensão do processo de avaliação, contam-se duas que figuraram entre as 20 melhores no ranking das escolas secundárias elaborado pelo CM em Outubro: a Infanta Dona Maria (melhor pública e terceira no ranking geral) e a José Falcão (18.º lugar no ranking). Os presidentes dos conselhos executivos vão voltar a reunir a 2 de Abril.

No meio disto tudo só estranho a relativa modorra que sinto por terras mais a sul, tradicionalmente associadas a posições mais radicais de contestação mas que, ou estou a ver mal, ou andam muito pouco firmes.

Por outro lado, isto apenas prova que, com coragem e circulação da informação, este modelo de avaliação só avança se os professores e as escolas quiserem e deixarem.

Agora se há quem quer e deixe, é toda uma outra questão de adesivagem.

“O problema não é o castigo mas o significado que pode ter”, defendeu ao JN Rui Trindade. O professor da Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação do Porto considera que um castigo exemplar – como o da transferência – poderá ter um efeito dissuasor. Pelo contrário, se a escola optar por um discurso tolerante, “que sinal é dado aos outros alunos?”. A sensação de impunidade pode crescer como bola de neve. (Jornal de Notícias)

.
Tirou-me as palavras da boca. Porque os heróis e heroínas de pátio e sala de aula alimentam-se da permissividade e de algo que se afirma ser «tolerância» mas é outra coisa. É desrespeito puro e duro para com a verdadeira vítima.

E há pelo menos 15 anos que vivemos neste permanente equívoco causado, penso eu, por qualquer tipo de trauma sofrido por quem andou na escola nos outros tempos, quando contestar a autoridade era sinónimo de «coragem» e «emancipação» e ainda não compreendeu que os tempos mudaram e as teorias da «dominação» já podiam começar a ser revistas.

Página seguinte »