cycleviolence.gif

É de notar em especial a transição da culpa (se chega, por vezes, a existir) para a racionalização e daí para o reiniciar do processo, que passa a ser tido como «normal».