Da intervenção de MLR no Parlamento ou a rábula do disco riscado:

Mas, Senhoras e Senhores deputados,
Os relatórios da OCDE apontam também a desigualdade escolar do sistema educativo português como um dos factores explicativos do insucesso escolar.
Não apenas a desigualdade social mas também a desigualdade escolar que, se não for combatida, impede a escola pública de cumprir a sua missão.
A desigualdade escolar manifesta-se na qualidade dos edifícios, mas também no funcionamento e organização das escolas, bem como na afectação de recursos.
Muitas medidas de política educativa, ao longo dos últimos anos, contribuíram para reforçar a desigualdade escolar.
Para dar apenas um exemplo, o sistema de concurso de colocação de professores cego, centralizado e anual foi talvez das medidas que mais contribuiu para reforçar a desigualdade escolar.
Não apenas porque considerava as escolas como sendo iguais, como sujeitava à instabilidade muitas escolas em meios difíceis ou isoladas, onde, por ano, chegavam a ser colocados, para a mesma turma, 12, 15 ou 18 professores.
E assim se reforçava a desigualdade das escolas mais desiguais.

Não sei se a ideia era mesmo massacrar pela repetição. Se era o objectivo foi quase conseguido pois, só para evitar reler a passagem as pessoas podem ter a tentação de não contestar o que aqui é afirmado.

Antes de mais, confesso que estou demasiado cansado para (e)laborar texto muito profundo sobre passagem tão caricata onde falta – desde logo – a explicitação do que se entende como «desigualdade escolar». Eu acho que sei o que é. Mas confesso que não tenho a certeza se acharei o mesmo que outro(a)s acharão.

Porque pelos vistos a «desigualdade escolar» resulta(va) de tratar «as escolas como sendo iguais», de onde se poderá inferir o simétrico oposto da «igualdade escolar» resultar de tratar as «escolas como diferentes».

Pelo que fico sem perceber se é desejável a «igualdade escolar» que atende às diferenças ou mesmo a diferença de tratamento que visa a igualdade escolar.

Ou vice-versa.

Ou não sei.

Ou.