PS quer proibir tatuagens e piercings a menores

O PS quer proibir os menores de 18 anos de fazer tatuagens, colocar piercings e aplicar maquilhagem definitiva. O projecto de lei, ontem apresentado para assinalar o Dia Internacional do Consumidor, prevê, ainda, a proibição, extensiva a todas as idades, de piercings na língua, na boca e noutros locais considerados de maior risco.

Renato Sampaio, deputado socialista e autor do projecto, evoca razões de saúde para regulamentar estas práticas e proibi-las a menores de 18 anos, mas admite que se trata também “de uma questão de gosto”. “Um jovem pode gostar e decidir fazer uma tatuagem sem medir as consequências, mas terá de ficar com ela para sempre”, defende.

A notícia continua, mas aqui já há ridículo suficiente para matar metade dos neurónios pensantes de todos nós.

Nem tentarei explicar a Renato Sampaio que as tatuagens já não são necessariamente definitivas, mas apenas que este tipo de leis são típicas de estados de tendência totalitária pois entram de forma mais do decisiva no foro da liberdade e gosto dos indivíduos, para além de que não me parece que o Estado deva, neste particular, substituir-se às famílias.

O engraçado é que um rapaz de 16 anos pode andar numa moto a colocar a sua vida, e dos outros, em risco, mas não pode furar a língua se lhe apetecer.

Desta vez não é um problema de quotas, é mesmo de kotas sem remédio.