No site da Confap é possível por estes dias deparar com esta nota:

Estatuto do Aluno

Debate Nacional

A Lei 3/2008, por força da “norma transitória”, tem de ser transposta para os Regulamentos Internos das escolas e agrupamentos, até final do ano lectivo.

É conhecida a posição crítica da CONFAP sobre a nova lei:

ver http://www.confap.pt/desenv_noticias.php?ntid=705

e http://www.confap.pt/desenv_noticias.php?ntid=811

e a sua total oposição à filosofia que enforma o novo Estatuto do Aluno, de cariz repressivo em vez de promover a educação para a responsabilidade.

No entanto, como é a que temos, e enquanto a mesma não for revogada, há que, nos Regulamentos Internos, introduzir normativos que alterem e melhorem a sua aplicação.

Para o efeito, abrimos a página web da CONFAP para um debate nacional, com o objectivo de se recolherem sugestões que venham a constituir propostas, as quais encaminharemos às Associações de Pais e aos Conselhos Pedagógicos para serem contempladas em Regulamento Interno.

O CE da CONFAP
11 de Março de 2008

Esta posição crítica e de «total oposição» é tanto mais interessante quanto há menos de um mês se tinha insurgido contra as notícias atribuídas a «desestabilizadores» que davam conta da suspensão prática da Lei 3/2008. O mais curioso é que a página em causa tem actualmente um comunicado diverso do que então foi produzido e que eu critiquei aqui, transcrevendo parte do conteúdo.

E como eu não sou dado a coisas apócrifas, aqui fica o documento original (08-0130_com_map_estatutoaluno.pdf), agora retocado numa manobra que, no mínimo, eu qualificaria de curiosíssima reescrita da História.

Para mais os termos algo ácidos do comunicado foram anotados em diversos blogues e na própria Comunicação Social.

Porque subitamente as coisas mudaram é que eu gostaria de saber.

Ou sei!