Recuso-me terminantemente a comentar ou aflorar sequer aquele indescritível conjunto de letras e palavras que o senhor Emídio Rangel publicou ontem.

Há limites para tudo. Os meus traçam-se quando se lêem apreciações sobre o civismo alheio por parte do Homem do Berbequim.