Professores do ensino superior juntam-se à Marcha da Indignação

“Asfixia financeira”, falta de progressão na carreira e despedimentos levam docentes da universidade e do politécnico à rua, no próximo sábado

No sábado, os professores do ensino superior vão também manifestar-se, em Lisboa. Vão participar na Marcha da Indignação não só por solidariedade para com os colegas do básico e do secundário; mas em defesa dos seus direitos. A convocatória é feita pela Federação Nacional dos Professores (Fenprof), que quer que professores e investigadores contestem os “cortes violentos nos orçamentos” de universidades e politécnicos. (Público, sem link)

É muito aborrecido ter razão antes de tempo. Em 2006 escrevi várias vezes que o Ensino Superior estaria em seguida na lista das «racionalizações» governamentais na área da Educação (pois as áreas estão separadas porque a Mariano Gago parece não ter apetecido lidar de perto com a arraia-miúda) e que não percebia bem a adesão de alguns vultos da Universidade ao discurso de Maria de Lurdes Rodrigues.

A estratégia de ir cortando fatias sucessivas funcionou de início. Só que a fatia dos «zecos» demorou demasiado a cortar e agora estão outros a sofrer aquilo por que nós andamos a passar.

Aguarda-se a posição do Snesup com alguma expectativa.