Villaverde Cabral quase fez de Arsélio Martins, de tal modo divagou por política, história, sociologia e vários etcs. Ia-me perdendo a acompanhá-lo – embora Fátima Campos ferreira continuasse no seu esforço de telecomandar as respostas.

Vá lá. Percebeu-se que Villaverde Cabral também acha que este modelo de avaliação – «repolhudo » – deveria ser primeiro implementado em pequena escala e só depois generalizado a todo o universo dos docentes.

Afinal, e apesar dos esforços de FCF, há aqui uma primeira plataforma de entendimento: o modelo é complexo, deve ser implementado de forma localizada, para ser testado, ele próprio avaliado e aperfeiçoado, antes de o despejar para cima de todas as escolas.

Não sei se esta é uma conclusão que agrade a quem considerou necessário este detate, para compensar o da passada semana, quase em sentido único.