Via Luís M. Latas, notícia do Sol:

O vice-presidente da Associação Nacional de Municípios Portugueses com o pelouro da Educação, António José Ganhão, considerou hoje positiva a exclusão da transferência de competências para as autarquias ao nível dos professores
A possibilidade das autarquias assumirem a gestão do pessoal docente da educação pré-escolar e do ensino básico acabou por ser excluída do novo diploma sobre o alargamento da transferência de competências para os municípios, apesar de a ministra da Educação, Maria de Lurdes Rodrigues, ter chegado a admitir experiências-piloto com as autarquias que manifestassem interesse e de o presidente da Câmara de Tavira, o social-democrata Macário Correia se ter disponibilizado de imediato para adoptar esse modelo.

Porque o descalabro não poderia ser total. Porque o próximo ano era capaz de prometer guerra complicada.
Em muitos locais, se a ideia original tivesse ido adiante, acredito que as Escolas ficassem ingovernáveis ou então entregues a redes clientelares com base nos cartões partidários. Se mesmo assim já fica a porta mal fechada, eu nem queria pensar. Então em Tavira, professor fumante deveria ser logo vetado pelo saudável São Macário. E olhem que eu sou não-fumador…