Em Janeiro, quando a avaliação de muitos alunos se delineou com base no seu articulado e alíneas e sem normas transitórias explícitas neste novo diploma, o que fazemos com o que foi trabalhado pelos Conselhos de Turma até aqui?

A ideia é mesmo estabelecer a completa confusão, ou surgirão depois documentos secundários e suplementares – sem valor legal claro – a esclarecer o que é omisso no recente Decreto-Lei 3/2008?