Leiria admite suspender aulas em casa mortuária

A Câmara Municipal de Leiria está a ponderar suspender as actividades extracurriculares na localidade dos Marinheiros, freguesia de Marrazes, depois de um grupo de pais ter protestado contra o facto de as aulas se realizarem na casa mortuária local.
“Não podemos estar a alimentar esta intriga”, justificou o vereador da Educação, Vítor Lourenço, para quem aquele local foi a “melhor solução encontrada”. A alternativa não foi, todavia, bem acolhida pelos pais. O espaço não tem “circulação de ar adequada e não faz sentido educar crianças onde houve velórios”, advogou Cristina Lopes, mãe de duas crianças que frequentam o ATL.
Mais: “Não concordamos com a decisão porque a casa mortuária tem de continuar a funcionar, até porque o povo andou a pedir para a obra.” (Público, sem ligação permanente)

O que depois seria interessante mesmo é que quem defendeu a solução como sendo razoável, explicasse o recuo na decisão.

Porque se há coisa divertida, mais divertida do que marchar sozinho em sentido contrário é marchar na direcção “certa” e, depois, reparar que os outros pararam todos e bateram em retirada.