Todavia, tanto eu como os leitores e, de resto, toda a gente, temos plena competência para concluir que a experiência recente mostra a que ponto a sociedade civil teve um papel de meritório relevo na fase anterior da discussão. Se não o tivesse assumido vigorosamente pelos vários meios ao seu alcance, estaríamos hoje perante um facto consumado de incalculáveis e desastrosas consequências, a despeito de inúmeros e sonorosos argumentos de autoridade que as instâncias oficiais, ou as oficiosamente de serviço, responsáveis pela TLEBS, foram produzindo em defesa dela invocando uma competência científica que está longe de sair incólume do próprio texto da revisão…

É certo que a força da intervenção da sociedade civil é pudicamente silenciada na actual versão da TLEBS que está em discussão pública. Mas, como também não deixa de salientar Andrade Peres, convém lembrá-los…, sobretudo agora, que a discussão, embora em princípio aberta a todos, se torna bastante menos “pública” pela própria natureza especializada das matérias. (Diário de Notícias, 5 de Dezembro de 2007)