As instituições de vanguarda da sociedade civil (…) inspiram graus de lealdade extremamente baixos. Não é difícil descobrir porquê. Se um empregador disser a alguém que terá de se desenvencilhar sozinho, que a instituição não o ajudará quando estiver em apuros, por que haveria essa pessoa de ter um forte sentimento de lealdade em relação à instituição? A lealdade é uma forma de participação; nenhum projecto empresarial, por muito belo e lógico que seja, poder, por si só, obter a lealdade daqueles a quem ele é imposto pela simples razão de que os empregados não participaram na sua gestação. (Richard Sennett, A Cultura do Novo Capitalismo, 2007, p. 50)