Contas feitas, os finlandeses têm mais dez dias de férias e feriados do que os portugueses. E não se pense que os cidadãos do ex-bloco comunista são na União Europeia a 27 dos que mais trabalham: na Estónia, Lituânia, Eslováquia e na Eslovénia os dias extras de descanso variam entre os 36 e os 40.
Ao todo, entre férias e feriados os portugueses gozam, em média, 34 dias anuais, enquanto em terras da Nokia (Finlândia) as folgas somam os 44 dias. Os portugueses laboram o mesmo que os alemães e mais que os franceses. Isto comprova que as economias avançadas do Norte da Europa trabalham menos dias, mas conseguem, ainda assim, ser mais tecnológicas e competitivas.
Um estudo da Mercer, uma conceituada consultora de recursos humanos, hoje a divulgar em Lisboa, coloca Portugal na média europeia de dias gozados sem trabalho. Isto, claro, levando em conta os cinco dias semanais de trabalho, com pelo menos dez anos de serviço. (mais desta delícia no DN de 5 de Junho, cuja edição só hoje bisbilhotei)