No final da conferência de imprensa, os dirigentes dos diversos sindicatos do sector deslocaram-se ao ME para entregar um abaixo-assinado subscrito por mais de 30 mil docentes contra a divisão da carreira em duas categorias.

No entanto, ninguém no Ministério se dispôs a receber os dossiers com as assinaturas, tendo os sindicatos recebido indicações para deixarem o abaixo-assinado na recepção, o que motivou um forte protesto por parte dos professores.

Em declarações à Lusa, o porta-voz da plataforma adiantou que, na sequência desta situação, agentes da PSP presentes no local procederam à identificação dos professores que se encontravam à porta do ME, gerando grande indignação. (Diário Digital)

Quanto ao resto, à substância da contestação e à estratégia para bloquear a implementação do sistema sabem os que por aqui passam que há muito apoio este tipo tipo de guerrilha chata, que pode não ter resultados imediatos, mas que mina a paciência e desorienta a potência ocupante (neste caso do território da Educação), que tende a reagir através do uso da prepotência e da intimidação. Como se viu.