O máximo de pontos que pode ser atingido na prova de aferição de 6º ano de LP, caso eu tenha contado bem pelos dedos, é de 77.

Desse total e de forma directa apenas 12 (15,6%) se destinam a avaliar o conhecimento explícito da língua.

Embora uma certa parte da avaliação da componente da produção escrita contenha uma avaliação daquele aspecto, parece-me que, afinal, a discussão em torno da TLEBS, terá sido uma irrelevância, uma verdadeira guerra de alecrim e manjerona. É que nos 25 pontos (32,5%) destinados à parte da compreensão da leitura, nas respostas não devem ser tidas em consideração as falhas de morfologia ou sintaxe que não perturbem o sentido das respostas dadas.

Afinal, tanta celeuma para tão pouca importância relativa.

E tanto tempo perdido pelos docentes a discutir como leccionar a gramática e a recear raios e coriscos.

Não estou a inventar nada, nem a revelar segredos. Os critérios de classificação encontram-se já acessíveis no site do GAVE.