ego1.jpgOs blogues dos professores vão rompendo o cerco. Hoje passam pelo DN, em matéria da jornalista Ângela Marques. Como sou por lá citado, nem sequer vou queixar-me que o assunto merecia mais espaço. De qualquer modo eu depois incluiriei por aí meu depoimento – que é usado de forma fiel, o que agradeço – e uma análise mais detalhada, na medida das minhas possibilidades e pontos de vista, do fenómeno. Porque acho que são um dos clusters mais ricos (porque heterogéneo) da blogosfera e nem sempre merecem a devida atenção dos media, tão entretidos a citar os blogues daqueles que já normalmente falam e escrevem, sobre os mesmos assuntos, nesses mesmos media. E porque acho que não merecem ser encaixados em fórmulas redutoras.

Para inchar mais, também um texto dos primórdios do Umbigo (e antes incluído no site da APHchegou aos States. De início até me chamaram Pablo, mas eu pedi-lhes a cortesia de não me tomarem por castelhano ou chicano. Não é por nada, qual quê xenofobia. Apenas porque me habituei a ser Paulo e um tipo com a idade tem dificuldade em adaptar-se a novos hábitos.

Portanto, hoje estou insuportavelmente bem disposto. O que é óptimo para fazer a análise daquela “espécie de entrevista” de Maria de Lurdes Rodrigues à Visão.