Domingo, 15 de Abril, 2007


‘Cause you’re so special…
So incredible…
Just like anybody else,
Unbelievable…
‘Cause you’re so special…
So deceivable…
Just like anybody else.

Aumenta-se a frequência da informação aos encarregados de educação sobre as faltas injustificadas e estipula-se a obrigatoriedade de tomada de medidas correctivas preventivas, sempre que os alunos ultrapassem injustificadamente 1/3 (um terço) do número de faltas possíveis.
Foi ainda decidido que os alunos que ultrapassem o limite das faltas injustificadas serão sujeitos à prestação obrigatória de exames. (Portal do Governo e Portal da Educação)

Mas alguém me explica o conceito de falta “possível”?
E já agora ensinam-me depois a dar faltas impossíveis? Essas davam-me jeito…

 0747a.jpg

Já não era sem tempo…

(c) Antero Valério

Não é o clássico dos clássicos, “Como desmentir um desmentido“, mas é da mesma obra e do mesmo calibre. Pode servir para uma refundação da Independente ou mesmo para um plano de estudos de alguém que precise de ajuntar prestígio ao currículo. Um excerto pois do:eco.jpg

Projecto para uma Universidade da Insignificância Comparada

Departamento de Oximórica

Urbanística cigana
Enologia muçulmana
Fonética do filme mudo
Iconologia Braille
Instituições da Revolução
Línguas franco-germânicas
Linguas uralo-melanésias
Línguas ogro-romanas
Hidrografia selenítica
Dinâmica parmenidiana
Estática heraclitiana
Oceanografia tibetana
Microscopia sideral
Oftamologia gástrica
Bizantinismo suiço
Códigos da infracção
Instituições da aristocracia de massas
Instituições da oligarquia popular
História das tradições inovadoras
Dialéctica tautológica
Erística booleana
(U. Eco, Comment voyager avec un saumon, p. 256)

Pelo que se vai ouvindo da reunião desta semana na 5 de Outubro com os CE’s andam a ser prometidas duas cenouras para os coelhinhos pouco exigentes: a reformulação da regras da autonomia delineadas por Marçal Grilo (decreto 115-A/98) e do Estatuto do Aluno (Lei 30/2002 na forma que lhe foi dada por David Justino), principalmente para efeitos disciplinares.

Ver para crer mas, desde já se percebe que para a generalidade dos docentes é dar um punhado de quase nada em troca de tudo o que lhes tem sido retirado em termos de direitos profissionais e de 26 meses de congelamento da progressão salarial.

Mas certamente há quem ache que vale a pena bater palmas.