É verdade que o tempo, mesmo curto, nos vai amolecendo um pouquinho, mesmo se o não queremos admitir.

A primeira vez que fiz este teste (há coisa de um par de anos) fiquei quase no canto inferior esquerdo da quadrícula. Hoje não respondi tantos strongly agree/disagree e subi uns quadradinhos e o meu nível de libertário social desceu de quase 7 pontos para perto de 5.

Não deixa de ser curioso que, de acordo com as personalidades apresentadas como referência, fico quase entre o Dalai Lama, pessoa estimável mas cuja postura pacífica pensaria ter pouco a ver comigo, e o Nelson Mandela, um dos raros políticos que admiro pela persistência, resistência e sensatez.

Por este andar aos 70 anos estou transformado num centrista cinzento como o Romano Prodi. O que seria triste.

Experimentem também, porque há resultados curiosos. E não façam batota, respondendo o que acham ficar bem. E no caso da Educação respondam em abstracto, não a pensar em alguém ou algo que vos é mais ou menos próximo. Já vi muito conservador empedernido no discurso acabar do lado esquerdo e muito esquerdista de cravo no peito acabar do lado direito, o que em qualquer dos casos não é assim tão estranho.