Se há quem se esforce por demonstrar que os professores só existem e fazem sentido em função dos alunos, então ninguém se esforça por aplicar o mesmo raciocínio ao Ministério da Educação?

Ou será que o Ministério da Educação faz sentido se não existirem alunos… ou mesmo… professores?