Quarta-feira, 13 de Dezembro, 2006


… ou então é apenas a EDP que gosta de pregar destas partidas. Estava eu a aventurar-me em texto erudito e documentado sobre o estatuto profissional e social da profissão docente quando se vai a luz e com ela todo o trabalho.

Enfim, para desenvolvimento futuro ficam aqui alguns dos materiais: para os mais liberais um relatório sobre a situação da Educação na California em 2005, onde aparentemente o problema é a falta de preparação dos docentes em exercício; um outro, recente e excelente, sobre a evolução do estatuto social dos professores nas últimas quatro décadas na Inglaterra, no qual a partir da p. 54 se desenvolve uma análise muito interessante sobre o seu declínio e a sua comparação com outras profissões; adicionalmente, a entrada para três relatórios americanos sobre a educação pública e privada na transição do milénio.

Por fim, os dados sobre a situação na Europa e, por um acaso, aqueles relacionados com a divisão de competências entre o Poder Central e os poderes locais, autárquicos ou a nível de Escola. Ora não é que, de acordo com a tabela que acima se exibe, afinal o centralismo parece ser a regra e a tal ideia de deslocar as competências para a esfera local é uma excepção, mesmo em países de dimensão bem maior do que a nossa e com níveis de sucesso escolar bem melhores?

E esta, hein?

(c) Antero Valério

Dois no mesmo dia, para compensar os dias em que não postei nenhum…. este já está no Anterozóide mas também acabou de chegar por mail, cortesia do verdadeiro artista.

ainda ontem eu escrevi sobre o assunto, pois as nuvens começavam a formar-se, e não é que hoje o ministro António Costa aparece no Diário de Notícias a afirmar o seguinte:

Isto significa pôr as câmaras a escolher os professores do ensino básico?
Significa que, do pré-escolar ao final do básico, deve progressivamente ser assumida pelas autarquias a responsabilidade, que já têm ao nível das instalações do primeiro ciclo e do pré-escolar. Devem estender-se ao segundo e ao terceiro ciclo relativamente à gestão e à componente dos recursos humanos. Esta é uma matéria que se deve discutir com as autarquias e com os sindicatos.

Meus caros amigos, se isto seguir em frente, o melhor é começar a considerar seriamente a possibilidade de mudar de vida. Depois disto só mesmo a barbárie e voltarmos todos às cavernas, com cuidado para que nenhum Valentim passe por perto de moca em punho…

Mas por outro lado será divertido, mas tão divertido, ver depois as Associações de Pais (já nem falo nos Conselhos Executivos) dominadas por certas tendências políticas e ideologias a tentar dialogar com vereadores e técnicos autárquicos de inclinação oposta.

Eu sei que a Lei das Finanças Locais precisa de ser compensada em termos de retórica política para apaziguar os ânimos mas, por favor, favorzinho, que desta vez, para bem de todos nós, seja mesmo só retórica. Por uma vez eu prometo que não faço críticas por não implementarem uma medida anunciada…

(c) Antero Valério

Como já comentei no Anterozóide, a birra só se for a italiana, porque da nacional já há muita para dar e vender.

Parece ser o objectivo deste espaço no Livro de Estilo, onde pelo menos o programa previsto é ambicioso. A seguir com a devida atenção.

Entretanto “A implosão” por Vasco Graça Moura, assim como no Público (com ligação a partir daqui só para assinantes) Maria Helena Mira Mateus volta a regir.

E o meu agradecimento à Amélia Pais pelas referências.

Passámos ontem as 50.000 visitas, sendo que mais de 40.000 foram nos últimos três meses. Com tanto movimento felizmente que não chega a ser necessário limpar o chamado cotão umbilical (mas que piada desnecessária…).

A imagem é de Gaëlle Boissonnard

 

… se as “férias” deixarem.

Duas obras não muito recentes – nem precisam de o ser, pois o tema é atemporal – sobre estratégias para despertar o interesse nos alunos pela Leitura e Escrita. Quando tanto se fala nessa necessidade, mas o apoio chega às Escolas tarde e sob arreata curta.

Erro meu, pensar em ler coisas de trabalho fora do tempo de aulas. Professor já não muito novo não tem emenda.