O António Ferrão está a traduzir o depoimento de um nosso (“nosso” é como quem diz, porque há quem venha cá que não é professor) colega francês que aflora muitos temas que agora estão na ordem do dia e que servirá para lançar mais algumas discussões por estas bandas.

Entretanto, estou a embrenhar-me na versão final do Estatuto da Escravidão Docente e vou ver se consigo alinhar uns quantos posts sobre os aspectos que mais me maravilham na peça, desde logo começando pelo intróito auto-justificativo e continuando pela obrigatoriedade de quem ousar ter Excelente se ver obrigado(a) a revelar os segredos da sua actividade em prol do sucesso escolar dos alunos para exposição numa base de dados do Ministério. Só gostava de saber que classificação vão ter os autores dos materiais sobre o Tioneu autopsiado de acordo com a TLEBS. Se tudo correr bem, sou capaz de conseguir voltar a produzir mais daqueles enormes textos que começo a escrever e depois nunca mais consigo acabar.