Uma das discussões que por aqui se costuma acender mais é a da comparação das más práticas das Escolas por comparação com as boas práticas empresariais.

O problema é que há boas e más escolas e boas e más empresas. O que sendo óbvio, nem sempre todos assim o entendem. As escolas só não aplicam melhores modelos de gestão, porque a margem de autonomia financeira que lhes é deixada é mínima e dentro dessa margem algumas fazem verdadeiros milagres. Só quem não conhece as omoletes que são feitas quase sem ovos pode achar que as escolas não têm boas práticas de gestão.

Em contrapartida, é indesmentível que muitas empresas só se mantêm em funcionamento com base da exploração da mão de obra precária, no incumprimento dos deveres para com a Segurança Social e na fuga ao fisco.

Por isso eu repito que, comparativamente, as escolas que temos provavelmente não deverão muito a bom número das empresas que por aí andam.