Um dos aspectos mais perturbadores das actuais discussões – porque são várias e não se resumem ao ECD – em torno da Educação em Portugal é a vinda à superfície de uma onda de aparente animosidade ou mesmo ódio aos professores. Não acho que seja um fenómeno muito alargado, pois acho que é concentrado em termos geracionais e até socio-culturais em certas bolsas de “opinião” ou de comportamentos, sendo que uma e outros não são coincidentes mas que acabam por se entrecruzar. Eu depois explico melhor.

Mas serve este post principalmente para fazer notar, com base na notícia do DN de hoje cuja imagem se reproduz, que se os actos descritos fossem aqui usados como certos críticos dos docentes usam exemplos isolados para denegrir toda a classe docente, a conclusão seria que os pais são todos uns vândalos, agressores e desrespeitadores da boa ordem, pois decidem agredir professoras que tentam separar alunos numa briga.

Aliás, não é caso isolado que, em fóruns de comentários a notícias similares, surjam opiniões a validarem e incentivarem este tipo de actos, umas vezes por pura ignorância, outras vezes por xenofobia, outras apenas por péssima formação cívica ou até despeito.

No entanto, essa não é a atitude correcta, a de generalizar a partir de situações episódicas. Só que infelizmente os sectores de opinião anti-docentes têm feito isso e, em muitos casos, apoiam esta política ministerial e esta Ministra apenas porque lhes parece que ela anda a castigar os docentes e não porque percebam efectivamente o que ela pretende. Esta não é uma generalização, mas apenas a constatação do que tenho visto quando calcorreio os tais fóruns.

Generalizar seria extrapolar tal constatação para o universo dos pais e famílias dos alunos do nosso sistema educativo ou pensar que, por causa daquela agressão, agora tenho de andar precavido contra os encarregados de educação dos meus alunos.

Não digo, nem nunca o escrevi, que entre os docentes não existem maus profissionais e más práticas. O que reafirmo é que, a existirem, as mesmas sejam denunciadas e punidas devidamente. Agora castigar ou ofender todos pela mesma medida é equivalente a fazer o mesmo em relação a todos os pais. E sendo eu pai e professor, ficaria muito mal comigo mesmo e vice-versa.