Também parece que não, apesar da voz corrente alimentada pelo Ministério nos últimos tempos.

De acordo novamente com os dados do projecto Eurydice (a imagem para entrar no blog fica quase ilegível mas está aqui a ligação directa), nos níveis primário e secundário de estudos (cuja definição por vezes é flutuante de país para país, apesar das tentativas de uniformização), os professores portugueses leccionam entre 910 e 930 horas anuais o que corresponde ao 5º lugar no volume total de horas leccionadas para o Ensino Primário e 8º ou 9º (há países com diversas modalidade) para o Ensino Secundário.

Ou seja, numa amostra bem alargada de cerca de 30 nações, estamos no terço superior em matéria de volume de aulas dadas. Claro que estes dados são frontalmente contrários aos avançados pelos agentes do Ministério na comunicação social, com amostras reduzidas e falta de especificação dos critérios.

Mas esse é um pormaior que se percebe bem porque acontece, em função do contexto e dos actores em presença.