Na sequência de um comentário do Professor Rebelo de Sousa sobre a criação de uma escola ucraniana em Portugal, com alunos também parecem frequentar a nossa escola pública, mas cujas famílias a acham insuficiente porque os conteúdos leccionados no 9º ano são equivalentes ao do 6º ano no seu país de origem, encontrei esta referência que é lapidar na forma como os estrangeiros com um mínimo de conhecimentos que por cá andam e vivem encaram o nosso sistema escolar.

É que não chega dar ocupar as crianças mais tempo, o que verdadeiramente interessa é dar-lhes uma escola mais rigorosa, mais exigente e que não esteja apenas a passear a miudagem por 9 ou 12 anos de escolaridade para pouco mais do que nada.

Enquanto não perceberem que o problema não está na quantidade de tempo que passam na Escola alunos e docentes, mas na qualidade das aprendizagens e no rigor da sua avaliação continuaremos sempre na cauda da Europa neste aspecto, por muito que queiram sarapintar as estatísticas de sucesso.