O de Maria de Fátima Bonifácio na revista Atlântico sobre o declínio da nova Universidade e não apenas da Universidade Nova como a chamada de capa pode fazer crer e a mim gastar os quatro euritos que custa o novo refúgio dos deserdados do antigo Independente.

Como antigo aluno da Professora Doutora em causa tenho, porém, mixed feelings quando concordo com o que leio dela, mas me lembro do que ela era como docente na segunda metade dos anos 80 na cadeira de História Económica e Social do 3º ano do curso de História da Nova.

A nossa relação – distante – até foi boa e frutuosa para mim em termos de classificação, mas lembro-me do que se passou com muito boa gente e do “perfil pedagógico” de MFB como docente.

Por isso, para amanhã ou depois, espero conseguir fazer a leitura devidamente encomiástica que o texto em causa merece, mas também relembrar memórias com 20 anos de umas aulas de História Económica e Social que muitas dezenas de aluno(a)s fizeram sofrer.

Paulo Guinote