Será que qualquer dia ainda nos voltam a exigir declarações de fidelidade incondicional e de renúncia a fés inconfessáveis e tidas como perigosas para o poder instituído?

Já faltou mais… penso eu de que…

Paulo Guinote