Certamente que já passaram pela experiência singular que é ver algumas mini-séries televisivas de conteúdo histórico em que as personagens falam como se estivessem numa rua qualquer de finais do século XX ou inícios do século XXi, mesmo se vestem uma toga romana, se estão em pleno Vale dos Reis ou se estão a preparar-se para um torneio medieval.

Este livro dá-nos exactamente o mesmo tipo de sensação: toda a gente fala como se estivesse numa qualquer mini-série de maior ou menor aparato, de maior ou menor orçamento e com mais ou menos estrelas convidadas.

Não é que as ficções históricas tenham que colocar toda a gente a falar à moda de outrora, mas pelo menos podia ser que algo se distinguisse, mesmo entre os próprios personagens, já que aqui tudo corre sobre rodas em prosa industrial.

É pena porque o tema das Guerras Púnicas e a trilogia prometida pelo autor sobre os cartagineses que desafiaram o poderio de Roma (Amílcar, Aníbal e Asdrubal) mereciam melhor destino e um pouco mais de arte ou engenho.

Assim, foi dinheiro deitado fora (mesmo se apenas 5,5 euros) e tempo mal perdido, porque acabei por ser teimoso e ler tudo á espera de melhoras. Que não houve para meu desgosto.

Paulo Guinote