… parece que o “estado de graça” da Ministra da Educação está a dar as últimas e, por fim, a Oposição percebe que as políticas da senhora estão erradas não por este ou por aquele detalhe, mas porque estão conceptualmente assentes em erros e premissas falsas.

Infelizmente, com o discurso da inevitabilidade das mudanças e o atirar para a mesa de gráficos com as taxas de insucesso e abandono escolar, tem ganho a simpatia de quem não se esforço em perceber que a razão dessas taxas radica muitas vezes no que envolve a Escola e em erradas políticas sociais, do que na eventual existência de “furos”. Eu tive-os e, em muitos casos, fizeram-me muito bem.

Mas, vá lá, desta vez, parece que a senhora foi minimamente cilindrada na Comissão Parlamentar, o que em boa verdade seria dse esperar pela sua manifesta impreparação para debater assuntos relativos à Educação.

 Exames – Maria de Lurdes Rodrigues sob fogo no Parlamento
Ministra reprova (Correio da Manhã)

À saída do debate de urgência agendado pelo PSD para debater “as falhas e erros cometidos pelo Ministério da Educação na realização dos exames nacionais”, a ministra da Educação não conteve o desabafo: “Estou tão cansada…”, disse à saída do hemiciclo, onde durante duas horas esteve sob o fogo cerrado da oposição.

Cada vez me convenço mais que, exactamente por pouco perceber do assunto, a dita Ministra foi colocada no lugar para, alimentando-a com teorias de que ela desconhece a origem e articulação, ela se sentir uma paladina da justiça e do rigor, assim fazendo papel de mártir, mesmo sendo “queimada” no processo e poupando esse sacrifício a qualquer figura de relevo do PS.

Quando em situação de debate aberto e sem defesas artificiais, sem a protecção de boa parte da comunicação social, a senhora vai-se abaixo e não consegue articular mais do que a cassete que lhe prepararam.

Fica aqui apenas uma amostra dos mimos que recebeu e que, em boa verdade, apenas padeceram pela escassez e pela falta de profundidade em questões que ultrapassassem estes meros “equívocos” na questão dos exames.

 – “A ministra não tem dignidade intelectual para reconhecer os erros.” Luísa Mesquita, PCP

– Não havia tanta trapalhada desde o Governo do dr. Santana Lopes.” idem

– “Reconheça o erro, peça desculpa e diga que vai apurar responsabilidades.” Pedro Duarte, PSD

– “Hoje, a sua sorte neste Parlamento é que tem 1.ª, 2.ª, 3.ª e 4.ª chamadas. E nesta primeira chamada foi redondamente chumbada.” Emídio Guerreiro, PSD

– “Olhar para as situações destes alunos em desigualdade é uma das decisões mais nobres da política. Mais fácil teria sido ignorar.” Maria de Lurdes Rodrigues, ministra

– “Eu nunca li nem lerei nenhuma prova de exame antes da sua realização.” idem

– “Em que país vive a senhora ministra? Não vê o pandemónio em que está este País? Exceptuando a claque do PS, não se sente isolada?” Agostinho Branquinho, PSD

– “Não vale a pena estar com sentimentos de vítima.” Alda Macedo, BE

– “Foi preciso o ministro dos Assuntos Parlamentares sair aos gritos em socorro de uma ministra que manifestou insegurança, nervosismo e incapacidade para dar explicações cabais aos portugueses.”Pedro Duarte, PSD