Vai-te Catar


Este gajo é um idiota, filhinho do papá, o novo Nobre Guedes (e Manuel Monteiro) do Portas, que já com a expressão “brigada do resgate” merecia levar com uma [piiiiii] bem assente no meio da fronha.

Isto para ser claro sobre o que penso desta forma de ser labrego. Entre este ar chocarreiro e os corninhos do Pinho venha o Quim Barreiros e escolha.

Pires de Lima ironiza com “Antóóóónio Cooosta”. E é toda uma nova forma de ironia

Foi no Parlamento: o ministro da Economia estava a falar de “taxas e taxinhas” nos setores do turismo e serviços, dirigindo-se à oposição, e protagonizou um momento inesperado e insólito – daqueles que é mesmo preciso ver (e sobretudo ouvir), porque não vai lá com palavras e descrições.

São vocações!

Angela Merkel diz que Portugal e Espanha têm demasiados licenciados

Chanceler alemã defende que facto impede que os dois países valorizem o ensino vocacional.

E como nem a miudagem nem tem de fazer os exames que o MEC diz serem a marca de rigor do sistema, as escolas que mais empurrarem os alunos mais “vocacionados” para a serralharia e a pintura de automóveis, melhores resultados conseguem e sobem nos rankings e tudo.

É toda a gente a “ganhar”.

Uns, as migalhas, mas muito alegretes (incluindo os capatazes locais dos patrões germânicos), os outros o bolo todo, tipo floresta negra, a abarrotar de natas e frutos das silvas.

(longe de mim – gesundheit! – insinuar que a Alemanha tem tido ao longo de menos de 150 anos de História, demasiadas pulsões… coiso… em relação aos outros países… sei lá…)

Passos acusa comentadores e jornalistas de serem “patéticos” e “preguiçosos”

O que é que o senhor PM quer… que sejamos todos duques daqueles que dão honoris causas aos salgados?

Que nos transformemos em consultores e assessores insurgentes com cursos de economia para zombies?

Que ignoremos as vezes quem que, por desconhecimento, incompetência ou manobra de psin, o actual PM fez lembrar tantas vezes o anterior na relação difícil com os factos ou na sua forma (quase sempre inábil, diga-se de passagem) de tentar manipular a realidade, pensando apenas no curto prazo, para adiar más notícias?

E é isso que deveria ser mudado no futuro.

“Ser professor era aquela profissão para onde se ia quando não se tinha mais nada, em alguns casos”, disse, para demonstrar o que quer mudar no futuro.

Mas que treta de conversa para quem se pretende rigoroso no que afirma. Isto é conversa de café de esquina das Avenidas Novas, para betos de outras eras que ainda se acham o supra-sumo do coiso.

Claro que isto só é dito em ambiente controlado e amigo, Confap style, vê lá se não te atrasas na transferência.

Percebe-se, pela linguagem corporal, que considera que a salsicha é grande.

Mas… por todos os santinhos do altar… quão parvo se pode ser?

É de espantar tamanha ingenuidade em quem chegou a PM no nosso país, para mais ao colo de um Relvas que, por sua vez, andou ao colo de tanta outra gente que, ao que parece, só agora se percebe que…

IMG_6435

Visão, 21 de Agosto de 2014

Isto não é ser sério, é ser hipócrita e querer fazer-nos passar por parvos.

Ser sério, como em tempos ouvi a alguém, é conhecer o que há de mal e não recear falar, pois isso é essencial para que o país mude a sério.

Página seguinte »

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 959 outros seguidores