Truques


Crato quer professores a fazer exame nas universidades a 20 de dezembro, sábado

O Ministério da Educação quer realizar a prova de avaliação de conhecimentos e capacidades a 20 de dezembro, em instituições do ensino superior. Em 2013, boicotes e greves marcaram o dia da prova.

E quem vigia?

Os superiores? Os poli-ramiros de Santarém?

Aguarda-se prosa do próprio, no Observador, a elogiar a coragem de Crato, por ter usado esta estratégia de fuga.

Foi-me confirmado por mais uma fonte que estão a realizar-se reuniões muito regulares entre a DGEstE e algumas das autarquias interessadas em passar a gerir as escolas da rede pública (seria interessante se propusessem fazer o mesmo  às privadas que usam dinheiros públicos e, por vezes, transportes municipais para as suas actividades).

O que eu não sabia é que existe a pretensão de começar já a partir de Janeiro a transferência de algumas funções (em especial administrativas, como o próprio processamento dos vencimentos) para os serviços autárquicos, havendo mesmo o desejo de transferir funcionários das secretarias dos agrupamentos para as câmaras.

Parece que a enorme preocupação nestas reuniões é que a informação não circule fora dos pseudo-”interessados” (não somos todos nós?) e que os documentos não transpirem (como da outra vez) para as páginas dos jornais ou posts dos blogues.

As próprias direcções das escolas e agrupamentos são deixadas na ignorância até ao limite, com o receio de “fugas” que produzam 2ruído”.

Agora é tentar ver quem é mais teimoso… se quem quer avançar no segredo com matéria tão sensível sem um escrutínio público (a legitimidade eleitoral não serve para tudo…), se quem acha que a transparência é uma regra básica do funcionamento da Democracia, se ainda a queremos designar com maiúscula.

Municip

Há não poucos meses o MEC mandava fazer saber que:

Colégios vão ter de reduzir 64 turmas com contrato de associação. Se não conseguirem cortar tantas, terão um financiamento mais baixo por turma.

(…)

O financiamento a estes contratos, que em 2009/2010 estava nos 239 milhões por ano, tem vindo a cair e neste ano lectivo 2013/2014 já se fixou nos 149 milhões de euros. “Este acordo, tendo por base a indicação dos serviços para a racionalização dos recursos existentes, permite ao Ministério da Educação e Ciência cumprir o objectivo de redução da despesa com contratos de associação, uma das componentes da redução de despesa inscrita no Documento de Estratégia Orçamental”, explica o Ministério em comunicado esta segunda-feira, 9 de Junho.

Com que então, 149 milhões de euros?

Vamos lá ver a proposta de OE para 2015…

OE2015Prop1

Reparem lá nos valores… em 2014 o total das transferências foi de 240 ME. Podem sempre dizer que não são tudo verbas para contratos de associação, que os há simples e de patrocínio, mas os bolsos para onde vão são os mesmos.

E podemos confirmar com os dados da dotação inicial do orçamento do MEC para 2014:

OEMEC2014

A verdade é que desde 2009/20, o valor das transferências para o sector privado se mantém praticamente igual, enquanto os cortes impostos à rede pública (que se afirma excessiva, pelo que poderia incorporar muitos daqueles que implicam despesa adicional para o Estado) são na ordem das centenas de milhões de euros por ano…

 

Os anunciados vales educação a ser pagos pelos patrões aos seus empregados como parte do seu salário podem ser uma notícia óptima para alguns colégios (os queirozezes estão excitadíssimos), mas péssima para os ditos trabalhadores, caso o valor seja deduzido do seu salário e não como suplemento remuneratório.

Ver para crer, dizia o São Tomé, um santo muito injustamente denegrido ao longo dos tempos.

E depois gosto muito do queirozeze a comparar-se a uma espécie de porta-voz dos reitores universitários, pois usa como elemento de comparação para os cortes nos apoios ao ensino particular o que acontece com o Ensino Superior.

Rodrigo Queiroz e Melo compara a situação do ensino particular e cooperativo com o do ensino superior, “que também está muito aflito”. As universidades e politécnicos perdem 1,5% de fundos públicos nos seus orçamentos em 2015. “Estamos na mesma linha”, considera o dirigente da Aeep, recusando a ideia de que os privados estejam a ser beneficiados face às escolas públicas, atendendo à diferença entre o corte por estes sentido (1,1%) e a diminuição geral de despesas no sector, que ultrapassa os 700 milhões de euros.

Tens uma ganda lábia, pá, porque sabes que estás garantido com o amigo inamovível que não sairia de lá nem com dez plágios seguidinhos.

Da proposta de Lei do Orçamento para 2015:

OE2015PropCaduc

… fragmentos de um discurso muito amoroso em relação aos tempos verbais:

Nuno Crato foi acusado pelos deputados de ter mentido no Parlamento quando disse que os professores colocados se manteriam e ninguém seria prejudicado. Ministro alega que só disse que os professores se mantinham nas escolas até às novas listas. “Disse ‘mantêm-se’. Não disse ‘manter-se-ão’.”

Quando um tipo se refugia em detalhes destes, é porque já não há nada de sólido a que se agarrar.

Página seguinte »

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 957 outros seguidores