EUA


… um dos exemplos mais inspiradores dos nossos putos tóxicos (de várias idades) do chá pu como a fraude está ali paredes meias com o sucesso a martelo: charter-schools-PA-Fraud-1.

Já escrevi várias vezes que não tenho quaisquer problemas em admitir os mecanismos da “liberdade de escolha” como passíveis de consideração, desde que concebidos a pensar efectivamente na melhoria do serviço educativo prestado aos alunos com maiores necessidades e dificuldades. já me levanta mais dúvidas que sejam uma mera justificação instrumental para práticas financeiras pouco escrupulosas ou para trafulhices pseudo-pedagógicas e/ou curriculares.

Este caso da Pensilvânia merece especial consideração porque há quem por cá goste muito de o referir e, ao que sei, de o visitar para ver como funciona.

The great charter school rip-off: Finally, the truth catches up to education “reform” phonies

.

Sugestão do Luís Braga.

Our Public Education System Needs Transformation, Not ‘Reform’

A growing, diverse movement is rejecting market-oriented reforms in favor of education justice.

The_Nation_2014-10-13_Page_01

Agradecendo os materiais ao Livresco.

Special Education Charters Renew Inclusion Debate

… sejam cunhas blasfemos ou aqueles insurgentes de duplo apelido e muito medo que se saiba que os empregadores vivem encostados a encomendas pagas com dinheiros públcios:

Professors on food stamps: The shocking true story of academia in 2014

Forget minimum wage, some adjunct professors say they’re making 50 cents an hour. Wait till you read these stories.

Agradeço ao Luís Braga a referência.

Um estudo da Gallup que derruba algumas ideias feitas que se querem apresentar por cá como inquestionáveis, nomeadamente sobre a confiança nos professores das escolas públicas e sobre o que a “opinião pública” pensa do que deve ser a sua avaliação.

A confiança continua bem alta (mesmo entre os republicanos) e considera-se que a sua avaliação não deve estar ligada ao desempenho dos alunos em testes-padrão.

Claro… atendendo à erosão do seu estatuto profissional, cortesia da classe política (como cá), há menos pais a considerar a carreira docente como uma boa opção profissional.

Como “o povo é sábio”, consideram que deve existir maior rigor no acesso e preparação dos futuros professores. Mas em nenhum lado se fala numa prova paccóvia como a que há por cá.

Eis alguns dados:

GallupEduc2014

(…)

GallupEduc2014a

 

Neste caso, é no Estado do presidenciável republicano Chris Christie:

Flipping Schools: The Hidden Forces Behind New Jersey Education Reform

Página seguinte »

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 945 outros seguidores