2014


Subiram qualquer coisa. O resumo é muito resumido.

Aqui.

Despacho n.º 8651/2014. D.R. n.º 126, Série II de 2014-07-03, do Ministério da Educação e Ciência – Gabinetes do Secretário de Estado do Ensino e da Administração Escolar e do Ensino Básico e Secundário.
Determina o Calendário Escolar e o Calendário de Exames para o ano letivo de 2014-2015.

Os cerca de 220 mil alunos do 4.º e do 6.º ano que no mês passado fizeram provas nacionais saíram-se melhor a Português do que a Matemática. No caso das crianças mais novas, a classificação média na prova da língua materna saltou da negativa (48,7%) para uns confortáveis 62,2%. No 6.º ano, o destaque vai para as notas de Matemática, que continuam a baixar: mais de metade dos finalistas do 2.º ciclo não chegaram à positiva e a classificação média nacional afundou-se um pouco mais, para os 47,3%.

Os resultados globais foram divulgados nesta quinta-feira pelo Instituto de Avaliação Educativa (IAVE), que em comunicado destaca “a melhoria considerável na disciplina de Português do 1.º ciclo” e a “ligeira melhoria” (de 52% para 57,9%) dos resultados na prova na mesma disciplina feita pelos alunos do 6.º ano.

O IAVE remete para mais tarde a análise detalhada dos resultados por tema (em Matemática) e por domínio (em Português). Para já, revela apenas que 81% dos alunos do 1.º ciclo e 75% dos do 2.º ciclo tiveram uma classificação igual ou superior a 3, a Português. Nas provas de Matemática tiveram positiva 64% dos estudantes do 1.º ciclo e 46% dos alunos do 6.º ano.

IMG_4816

O de baixo foi mesmo para festejar o previsivelmente efémero salário de Junho… o prazer imenso do traço de Alex Raymond, mesmo se tenho parte das pranchas nas publicações em português…

IMG_4822

… a níveis salariais perdidos, a pilha inicial deste ano revela a prudência nos gastos e a opção clara por alfarrabistas e promoções dos grandes grupos.

IMG_4763

Fica aqui:Aviso6472Ade2014.

Mas parece que até já entrou uma providência cautelar, portanto… preparem-se para a animação do costume.

Portaria n.º 113-A/2014. D.R. n.º 100, Suplemento, Série I de 2014-05-26

Ministérios das Finanças e da Educação e Ciência

Fixa o número de vagas do concurso externo extraordinário de acesso à carreira docente.

 

 

 

Não se percebem bem açgumas leituras produzidas na noite de ontem… em especial o regozijo da Aliança Portugal por ter perdido por poucos e do PS por ter ganho, mas sem conseguir capitalizar metade da perda de votos dos partidos do actual desgoverno.

Enquanto em 2009, estes três partidos concentravam cerca de 76,5% dos votos, agora nem aos 60% chegaram.

Se esse fenómeno – de perda de influência eleitoral dos partidos do centrão governamental, enquanto sobem os votos das propostas mais populistas e “extremistas” de direita e esquerda – não foi exclusivo de Portugal?

Não, não foi, o que agrava ainda mais as coisas, pois é algo global que demonstra até que ponto a desconfiança se instalou em relação aos senhores do rotativismo governativo.

Se é preocupante?

Depende.

Enquanto as propostas “centrais” se ficarem por Duponds e Duponts, é porque continua a aprofundar-se uma enorme incompreensão entre as cliques e clientelas partidárias e o resto da população.

Enquanto as diferenças forem entre tons da mesma cor base (o cinzento apastelado, com mais goma ou menos goma no cabelo), é porque o solipsismo político atingiu níveis próximos da ruptura.

Mas alguém se sente motivado para votar num assis ou num rangel, que daqui a semanas só se distinguirão porque um decidiu ter ar de saudável raquítico e o outro ainda não?

Menos de 60% de um terço dos votantes inscritos (estou-me cada vez mais nas tintas para o argumento dos “eleitores-fantasma” que, a existirem, só existem porque o poder político assim o permite por incúria ou incompetência) significa que os “grandes partidos” do “arco da governabilidade” convenceram menos de 20% dos eleitores inscritos.

É demasiado escasso para que seja quem for possa reclamar qualquer vitória.

Com jeitinho… começamos a ter um colégio eleitoral mais curto do que a velha democracia esclavagista e misógina de Atenas, sendo que no caso presente não se vota por opção e não por proibição.

 

EleiEur2014EleiEur2014b

EleiEur2014c

Ukip has won the European elections

Européennes : large victoire du Front national

N-VA conquérante, Ecolo en recul et importants problèmes informatiques pour les décomptes

Far-right takes victory in Danish European elections

Greece’s Syriza Wins EU Elections in Warning to Samaras

Aqui, em directo com os últimos dados globais e nacionais disponíveis.

Decreto-Lei n.º 83-A/2014. D.R. n.º 99, Suplemento, Série I de 2014-05-23

Ministério da Educação e Ciência

Procede à terceira alteração ao Decreto-Lei n.º 132/2012, de 27 de junho, que estabelece o regime de seleção, recrutamento e mobilidade do pessoal docente para os estabelecimentos públicos de educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário na dependência do Ministério da Educação e Ciência.

Ei-la, no esplendor das suas 128 páginas: Norma_02_JNE_2014.

Decreto-Lei n.º 60/2014. D.R. n.º 78, Série I de 2014-04-22, do Ministério da Educação e Ciência

Estabelece um regime excecional para a seleção e o recrutamento do pessoal docente dos estabelecimentos públicos da educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário na dependência do Ministério da Educação e Ciência.

… defender uma petição que pretende que exista um concurso interno extraordinário para 2014.

Gabo-lhe a dedicação e o esforço mas sei, por experiência própria, que nada disto funciona.

O objectivo do MEC, com os seus parceiros privados preferenciais e a mão da FNE quase sempre à última da hora, é a completa desregulação do sistema de colocação de professores.

Só com uma bigorna na cabeça conseguiriam começar a vislumbrar uma fiozinho de luz.

monty-python-16-tons

 

PRÓ-ORDEM REUNIU NO MEC PARA NEGOCIAÇÕES SOBRE CONCURSOS

A Pró-Ordem reivindica a realização em 2014 de um concurso geral interno e externo com declaração de todas as vagas e a sua recuperação automática

2014 : crise ou reprise ?

… os excessos da despedida do 2013 e da desconfiada recepção ao 2014. Foi tudo muito frugal e etéreo…

IMG_3313IMG_3311

goulaodcalendario20141

(c) Francisco Goulão

Página seguinte »

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 894 outros seguidores