Os livros sobre Salazar, continuam a dar. Mas!

 

Num tempo de autêntico desnorte e em que  todos os nossos políticos, “sempre de serviço, ao serviço, sempre os mesmos, e todos bastantes maus”, e em que não se vislumbra futuro, a crença em ditadores é fascinante.

Estamos consistentemente a ler histórias – para todos os gostos! -  sobre Salazar, quer sobre o que  fez e não na política durante as décadas seguidas  em que foi Político no activo, e até da sua privada vida, das suas namoradas, da francesa jornalista e das escapadelas pela Urgeiriça.

E das funções que ocupou – impondo-se nas mesmas! –  e outras que acumulou, como Ministro das Finanças, dos Negócios Estrangeiros e Presidente do Conselho. E, aquela imagem de ditador tenta ser esbatida, para não ser tanto assim, só um pouco.

E a imagem do homem que fez tudo pelo Estado e que não enriqueceu à custa do Estado. Esta sem dúvida é um facto, tudo o resto cada um assume como melhor jeito lhe der. Claro que não enriquecer, não se governar, à custa das suas funções é algo que hoje é quase incompreensível.

Mas eternizar-se – à força e pela força! -  no Poder, fê-lo ainda melhor que “estes” que vamos conhecendo e que de poleiro em poleiro, andam lá eternizando-se e infernizando-nos.

E não permitia à comunicação social dizer as realidades, dizer o que se passava, era verdade, e que torturava quem o contrariava é verdade. Que era ditador ninguém duvidará. E não era agradável viver em sufoco. Hoje o exagero foi para o outro lado, mas podemos  -livremente – não ouvir, não ver, não ler o que não queremos. Naquele tempo não havia escolha!

Que ajudou a “pôr” as finanças em ordem, não é mentira, mas os métodos utilizados não foram os melhores e não compensa fazer tudo à força, e depois esquecer-se –  parece que é um mal que vem de longe e permanece – de desenvolver bem a economia, fazer o País de facto crescer e tornar-se sustentável. Não fez! Não!

E existiu num tempo em que as ditaduras estavam em força na Europa , não nos esqueçamos convenientemente de Mussolini – de quem muito Salazar gostava – , de Franco – não se gostavam , aceitavam-se  - e de Hitler na nossa neutralidade , não neutral.

Mas , estamos, agora, num tempo em que todos os políticos ao serviço, essencialmente nos últimos 15 a 20 anos são profissionais da política – e não políticos! – , cá no nosso retângulo e são maus, e eternizam-se dado que não saem, nem deixam outros entrar, e tudo o que fazem em crise é para mais agravá-la, e, claro que se sonha com Salazar. Mas é um sonho mau.

Esperemos ser possível haver algum  bom senso, e sem ter que aparecer um Salazar ditador que hoje nem espaço tem, neste mundo global, aqui na Europa, talvez se comece a criar uma nova classe política, com qualidade, com democracidade, com conhecimentos, sem querer enriquecer pelo Poder, e que seja totalmente refrescada e desligada da actual.

Sempre com Partidos Políticos e nunca com um único, mas talvez até refrescando  Partidos, com gente nova, com mais vida que não só a política, e que entrem nesta não para lá ficarem, mas saindo e entrando novos.

E Salazar faz parte da História e só como tal deveria ser lido.

 

Augusto Küttner de Magalhães

About these ads