Domingo, 27 de Maio, 2012


Bombay Bicycle Club, Magnet

Castro Daire, exposição de trabalhos de alunos. Espantalho de Pedro Passos Coelho foi retirado pelo presidente da câmara.

Madeira, empresa ameaça suspender as refeições às escolas devido às dívidas do governo regional.

Aluno detido por ameaça na Internet de provocar um massacre na escola. Escola Secundária Professor José Augusto Lucas (Linda-a-Velha).

Caros colegas,

Decidi analisar a nova matriz e cheguei à conclusão que apenas sobra algum tempo para além dos mínimos por disciplina na opção de 50′.
De qualquer modo esse tempo não chega a um tempo completo de 50′ (excepção para o 12º ano) logo para que vai servir?
Na organização de 45′ o somatório dos mínimos por disciplina igual o máximo a cumprir por ano, logo dizer que há flexibilidade da escola em reforçar esta ou aquela área é pura falácia!
Ter em atenção que, por exemplo, em Português (3º ciclo) o mínimo é de 200′ que na organização de 45′ obriga a cumprir 225′. Com outras disciplinas em situação idêntica atinge-se sempre o tempo máximo  a cumprir no ano!

Deixo-vos a minha análise em números se a quiserem publicar nos vossos fóruns.

Cumprimentos,
João Januário

Nota: só analisei 3º ciclo e secundário.

aos domingos – a dez mil euros ao mês.

Também eu compraria livros, oferecidos ou não, mas não me limitaria aos títulos e às editoras.

Texto introdutório  de um manual da antiga disciplina de Trabalhos Manuais (Trabalhos Manuais 1ºAno – EQUIPA DE TRABALHOS MANUAIS DO C.P.T.V.- Edição do Instituto de Tecnologia Educativa – ano letivo 1982/83), que é muito pertinente para o que se passa a nível curricular atualmente e dá que pensar.

Enviado pelo colega Alberto Miranda.

de cada vez que sou forçado a voltar à apregoada civilização:  manicómio.

Social mobility: we need an education system that is rooted in the real world

The outdated curriculum fails to address the needs of the vast majority of students.

Precisamos de currículos virados para a formação de pseudo-espiões bisbilhoteiros e futuros políticos habilidosos?

Porque para futebolistas há as academias e para actrizes e modelos a genética é mais importante e, infelizmente, a Educação para a Sexualidade nunca mais arranca a sério.

Tanto silêncio de tantos defensores dos direitos humanos. Quando convém. Porque há latitudes e longitudes nas indignações. À esquerda e à direita.

Syrie : Kofi Annan condamne le «crime aveugle» de Houla

Para quando uma marcha qualquer, mesmo do tipo daquelas folclóricas em que são especialistas certos indignados selectivos?

A Marcha

Na Marcha de hoje esteve gente de boa parte dos Agrupamentos de Gaia, quer dos que ficam à margem deste processo, quer dos que estão a ser obrigados a avançar já.  Mais de 300 pessoas, entre professores, pais, alunos, auxiliares, funcionários administrativos, etc…

Com reportagem fotográfica…

Ex.mos(as) Senhores (as)

Tendo tomado conhecimento do texto anexo, que a Junta de Freguesia de Vila Nova de Anha emitiu, em que, a propósito do debate existente sobre a agregação de agrupamentos de escolas em Viana do Castelo, me são feitas diversas referências directas e imputações, e perante pedidos de comentário por órgãos de comunicação social locais (e de esclarecimento por diversas pessoas), a que não acederei mais do que o presente texto, declaro apenas (e a título pessoal), para encerrar o tema, o seguinte:

1. Considero não dever responder ao texto (mesmo contendo surpreendentemente tantas referências directas e até comentários e juízos sobre supostas acções e omissões minhas);
2. As referidas palavras chegaram ao meu conhecimento por exposição pública no Facebook e por mail e, por isso, aqui as reproduzo, para que, tendo já, com certeza, caído no domínio do comentário público se evidenciem por si próprias e na sua natureza objectiva que, como digo, prescindo de qualificar.
3. Deixo contudo observações, que não são resposta, e sob a forma de perguntas:

Porque se faz “o mal e a caramunha”? Que “inverdades” disse eu? E porque se abstém as pessoas, estas e tantas outras? Por exemplo, porque se abstém aqui, de fazer o que querem (que um leitor médio dirá que é chamar-me mentiroso) e se refugiam nesta pseudo-elegante fórmula da “inverdade”.

Em suma, a verdade é que, lido o texto, nem se me gera vontade de responder, para além de tal ser inadequado e inoportuno no actual momento da questão.
Como dizia alguém, infelizmente já desaparecido, quanto às injúrias…. meço-as sempre pela fonte……

Como não conheço as pessoas que escrevem (e teria, mesmo assim, gosto em conversar para esclarecer as posições) gera-se a dificuldade de operar essa avaliação.

Mas, perante as afirmações do texto, e para se conhecer objectivamente o que disse, que me parecem verdades límpidas, deixo ainda, em anexo, o texto que escrevi já há algum tempo sobre o tema focado e que traduz o pensamento que tenho expresso repetidas vezes sobre a questão (que muito agradeço aos eleitos da autarquia de Vila Nova de Anha terem recordado que se situa no âmbito da liberdade de expressão individual, tal como, aliás, esta comunicação).

Lateralmente se refere contudo que tal texto foi adoptado pelos órgãos próprios do Agrupamento de Escolas de Darque como posição sua por votações muito representativas e largamente maioritárias.

E é pelo respeito que me merece o acto de votar que produziu também a legitimidade dos autores do texto da autarquia e pela importância que, por razões profissionais e muitas outras, atribuo à memória, que divulgo de novo o texto datado de 23 de Março de 2012, já que será importante fortificar a memória com os textos que efectivamente corporizam as opiniões (e não apenas com o que consta oralmente delas).

Com os melhores cumprimentos e pedindo desculpa aos que tenha incomodado pela remissão desta comunicação,

Luís Sottomaior Braga

O texto citado nesta resposta encontra-se aqui.

Fez parte do núcleo inicial dos comentadores do Umbigo, desde finais de 2006

Paulo,

Morreu a Amélia Pais, de Leiria. Aliás, a sua terra Natal é Fornos de Algodres. Não sei se conhecia.

Professora de P maiúsculo e estudiosa da Língua e Literatura Portuguesas . Autora de vários livros. Sobre Camões: “Para compreender os Lusíadas”; edição escolar anotada, de Os Lusíadas; “Eu cantarei de amor”; “Ensinar os Lusíadas” e “Os Lusíadas em prosa” (adaptação juvenil. Escreveu também sobre Gil Vicente, Fernando Pessoa e padre António Vieira.

Autora do blog http://barcosflores.blogspot.pt/ e outros sítios da net. Uma lutadora por muitas causas dos professores ao longo de muitos anos.

Bjs

Mª das Dores

A Marvel casou um super-herói gay e a DC quer tirar outro do armário

Secretas: Capucho exige que caso vá até “às últimas consequências”

Balsemão vai processar Ongoing por causa de relatório sobre a sua vida privada

Inspectores acusados de espionagem voltaram ao activo

Os dois inspetores da Polícia Judiciária que estão a ser julgados por suspeita de terem participado num esquema de vigilância e espionagem sobre cidadãos estiveram suspensos mas continuam a trabalhar na PJ, indicou a instituição.

Por um Encontro Nacional, com caráter de urgência

Lá por não ser crente, não quer dizer que não dê a morada do local…

 

É sempre uma opção editorial interessante um jornal dar muitas páginas para que um seu articulista exponha em detalhe as ideias e opiniões que expôs em detalhe e minúcia ao longo das semanas nesse mesmo jornal.

Acontece. Não tantas vezes assim felizmente, mas acontece.

Esta semana calhou ao Expresso dar 8 páginas da sua revista ao ocupante residente de uma página de opinião semanal com milhares de caracteres. Está no seu direito duplicar material porque os tempos são de crise e assim sempre foi possível fazer umas fotos galantes para atingir o público feminino mais maduro, menos sensível ao charme infanto-juvenil do Manzarra na capa  (quanto à Cláudia Vieira é todo um outro campeonato, de grande abrangência e acima da nossa super-liga, mais tipo champions só com campeões mesmo).

Mas aqui o que interessa é o grande e mítico Sousa Tavares espraiado em múltiplas e auto-indulgentes opiniões inconvenientes que já conhecemos desde o tempo em que em ele próprio era da idade do Manzarra.

E são 8 páginas em poucos mais de 60 úteis, as que não têm publicidade.

Sem que se perceba bem porquê…

É que nos tempos modernos do nosso jornalismo já tivemos, no Indy, aquelas peças pseudo-críticas encomiásticas sobre cada novo/velho livro do Vasco Pulido Valente (por vezes, o Público quase que escorrega para isso…).

No próprio Expresso foi comum que cada novo romance de alguns dos seus colaboradores mais estreitinhos motivasse prosa+entrevista+recensão com seis estrelas numa escala de cinco. Algo que, no caso do ex-director transitou para o Sol.

Mas havia um pretexto, mesmo que discutível, próximo.

Não deixa de ser algo carinhoso, uma espécie de espírito de família, em que os nossos são protegidos e divulgados.

Mas, no caso presente, parece apenas uma forma de encher salame, com os velhos demónios (avaliação dos profes incluída) de MST a virem ali todos à superfície sem que ele nos pague a sessão de psi.

Ali apenas está o que lemos ao longo de semanas e semanas (ou que não lemos). O mais certo é acharem que, para não lhe baixarem a remuneração por coluna, mais valia ele colaborar em outras matérias… isso já percebo. Mas para o leitor é dar doninha por lebre.

  • Cachimbo de Magritte:

Ou de como “o caso secretas” se tornou “o caso Relvas”

  • Incursões:

Os ministros manobradores

  • Indicativo:

Miguel Relvas, José Sócrates e a farinha do mesmo saco

  • Machina Speculatrix:

sms para Relvas.

  • Mainstreet:

Devastador

  • O Arrumadinho:

Relvas, versão 2

  • O Jumento:

Isto é um governo ou uma associação de malfeitores?

  • RepórterEng:

A estrela de Relvas

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 893 outros seguidores